Coisas - Moacir Santos

Nesses tempos de celebração pelos cinquenta anos da bossa nova, acho que o RockTown! Downloads deveria prestar uma homenagem a esse ritmo brasileiro sempre recordado por seu requinte, sua elegância e sofisticação. Achei que colocar o álbum Chega de Saudade do João Gilberto seria uma atitude muito óbvia. Vinícius de Moraes era uma boa pedida, mas já é bem conhecido do público. O Tom então, putz, mais conhecido não há. De repente me veio uma luz. Luz vinda diretamente do sertão pernambucano. Moacir Santos, o grande instrumentista e professor de grande parte da nata da bossa nova, como Baden Powell, João Donato, Nara Leão, Roberto Menescal, Sérgio Mendes entre outros, merece realmente que seu trabalho seja mais reconhecido do que vem sendo.

Moacir saiu do já citado sertão de Pernambuco, onde tocava em bandinhas locais (aprimorando suas noções musicais), em meados da década de 30, para já na década de 40, mudar para o Rio de Janeiro, grande centro cultural do Brasil na época. Trabalhou em rádios, regeu orquestras como a da TV Record em São Paulo, trabalhou em parceria com grandes nomes, seja como professor ou como parceiro de composição. Vinícius de Moraes em toda sua grandeza, reconhece a maestria de Moacir no 'Samba da Bênção':

Moacir Santos, tu que não és um só, és tantos
Como este meu Brasil de todos os santos


A MPB se prostra diante da imagem criativa de Moacir, a bossa nova deve sua existência à sua genialidade e iniciativa de restauração harmônica da música brasileira. Seu grande trabalho, a referência definitiva do que é Moacir Santos, é o álbum Coisas, lançado em 1965. O compositor exibe toda a modernidade de sua música em dez faixas que viajam entre batuques afro-brasileiros misturados à suaves notas de jazz que propiciam uma sensível atmosfera musical, relaxante ao extremo. De tanta complexidade, a cabeça adormece. Quando você fecha os olhos, começa a visualizar no escuro uma orquestra, minuciosa em cada conjunto, em cada contraponto instrumental. A sonoridade é instável, num ótimo sentido, como podemos notar na faixa de abertura 'Coisa Nº 2'. Há uma estética pesada com notas graves, velozes e repetidas de trompete, agregando classe aos acompanhamentos africanos, que sugerem um fervor rítmico nas batidas de atabaque. E eis que surge o delicioso improviso típico do jazz, seja em solos de trompete ou de sax. Ainda por cima, não há como não ficar de boca aberta com a estrutura dos arranjos, os caminhos que os intrumentos tomam. É incrível. E isso é só o começo. 'Coisa Nº 5' é perturbador, aplicando pressão em nossa percepção musical, chegando com passos curtos e desafiadores que aos poucos vão cedendo para uma linha mais clássica, nos remetendo à ponte entre o clássico e o moderno, o erudito e o popular. Moacir nos entrega a chave da compreensão e nos brinda com qualidade indescritível. 'Coisa Nº 6' é urgente, se aproximando do Caribe e suas influências negras. Abraça Cuba em sua extensão, e abrilhanta ainda mais o seu trabalho com a mescla de ritmos.

O álbum Coisas é a tradução da música negra não só no Brasil, mas também na América, de cabo a rabo, da Argentina ao Canadá. É uma deliciosa viagem musical de um extremo ao outro, da alegria das massas num carnaval de rua brasileiro ao frenesi das apresentações de jazz no Carnegie Hall em Nova York. Moacir Santos é bossa, samba, jazz, ou como dizia Vinícius, "Moacir Santos, tu que não és um só, és tantos".

Set List

1- Coisa No. 4
2- Coisa No. 10
3- Coisa No. 5
4- Coisa No. 3
5- Coisa No. 2
6- Coisa No. 9
7- Coisa No. 6
8- Coisa No. 7
9- Coisa No. 1
10- Coisa No. 8


BUSCA!O blog conta com uma busca específica no menu ao lado. Procure discos e bandas/artistas em nossa busca! Serão listados todos os posts onde o nome procurado foi citado.

3 Opinião(ões) de nosso(s) leitor(es):

Olá Felipe,

Seu blog lembra um amigo meu, o Carlos Alberto, geneticamente argentino, há muitos anos em terras tupiniquins. Um colecionador de rock, tudo original, em vinil. Conheci com ele praticamente todas as bandas que você generosamente tem postado.
Edições limitadas, algumas autografadas pelas bandas, como um disco dos Stones. Muito obrigado por fornecer esta matéria prima musical para audiófilos como eu.

Abraços,
Ricardo

Felipe, como vai?

Primerio quero parabenizá-lo. A tempo venho acompanhando o seu blog e cada vez mais me surpreendo, pois vc é nele elegante e fino, os seus textos são de grande valia.
Obrigado por resgatar Moacir.
Esperamos novidades.
Um saudoso abraço, Fabiano.