Bee Thousand - Guided by Voices

A banda do meu coração volta ao blog.

Talvez você não tenha ouvido falar sobre essa banda. Pode ter ouvido alguma coisa por aí, em algum lugar da noite, tocada por algum DJ sensato demais. Mas aviso que é difícil se deparar com o som deles pelas noites do rock alternativo. O Guided by Voices (GBV) nasceu em 1985 em Dayton, Ohio (EUA), graças as idéias malucas de um professor de primário que tinha realmente o dom de compôr: Bob Pollard tem mais de mil músicas devidamente registradas sob as leis de direitos autorais. E não se trata de algo automático e cansativo, Pollard realmente sabe jogar com as palavras. De dragões, ele passa por perseguições com helicópteros, desce até analisar a vida com precisão cirúrgica, cantando com sua voz característica, as aventuras e desventuras da vida, com certo humor cáustico em algumas horas e otimismo em outras. O som é extremamente autêntico no ponto de vista da qualidade. O GBV é a tradução do que é uma sonoridade lo-fi, que não se trata de charme, de uma textura pretenciosa em alguma má intenção. As primeiras gravações foram feitas de forma amadora, com uma aparência realmente tosca, mas que valeu pela originalidade, que logo foi conquistando fãs pelo underground dos EUA inteiro. Aos poucos foram lançando discos e mesmo sob a tutela de gravadoras, como a idolatrada Matador, a banda continuou demarcando territórios com sua rusticidade e identificação com a realidade da maioria das bandas: garagem como estúdio, equipamentos insuficientes em qualidade e instabilidade na manutenção de uma formação da banda com integrantes fixos, afinal, a banda teve mais de quarenta integrantes em seus dezenove anos de existência. Se você ouvir com atenção, notará uma agressividade tomada do The Who, com aquela explosão de acordes de guitarra e baixo e uma euforia magnética no vocal de Pollard. A banda também toma emprestada a estrutura pop extremamente sólida que o R.E.M desenvolveu. Toda a junção da energia do rock sobre o pop variado em delicadeza e êxtase, garante ao GBV destaque indiscutível.

Em Bee Thousand, lançado em 1994, a banda chegou a um status divino, começando a ser cultuada. As bandas começaram a declarar: "somos influenciados pelo Guided by Voices". Com todos os ruídos e efeitos inseridos de forma experimental, o GBV foi arrebanhando milhares de fãs que começavam a descobrir que poderiam gravar como eles gravaram e mesmo assim, poderiam angariar admiradores. Afinal, nos trabalhos da banda, o que importa realmente é análise fria dos elementos que compoem cada faixa, seja ela com dezoito segundos ou três minutos de duração. E realmente o disco está recheado de experimentos genuínos, com faixas que têm pouco mais que um minuto de duração. Mas se você acha que vai ouvir uma bagunça, uma compilação desordenada de uma mente maluca, tire o cavalo da chuva. Embora haja uma atmosfera de experiência, Pollard cria coesão justamente pelo fato de, em cada faixa, beber das suas influências e criar uma base para futuros trabalhos. O vocalista e compositor sabia o que estava fazendo.

'Hardcore UFOs' inicia o disco com uma sonoridade complexa, psicodélica em sua base e cantada um pouco fora de sincronia. E bom citar que a banda estava no controle das coisas e tudo o que eles fizeram nesse disco, foi feito de forma proposital. Muita banda se aproveitou positivamente dessas misturas do GBV. 'Tractor Rape Chain' é um rock extremamente fácil de cantar, incendiado por uma guitarra perfeitamente calibrada para a estética do lo-fi. O refrão desaba em nossas mentes de tão acessível que é. Sem contar o nome da faixa que no mínimo é bizarra (nomes bizarros não faltam na extensa cartilha do GBV). 'The Goldheart Mountaintop Queen Directory' é suave, com linha de arranjo sombria e bem construída, mas que degenera aos poucos com os vocais desalinhados e pasmem, uma flauta doce totalmente desafinada e tocada como se uma criança de 5 anos a fizesse. Se você gostou do arranjo e quer ouví-lo com qualidade, vale a pena baixar o So Divided do Trail of Dead (disponível aqui no blog), onde eles fazem o cover dessa canção, com sonoridade bem mais limpa e organizada. 'Echos Myron' é mais extrovertida, com compasso de bateria bem marcado, e um vocal bem mais solto, com escaladas de guitarra muito bem encaixadas. 'Gold Star for Robot Boy' tem seu destaque pela questão de influência. A linha de guitarra ao fundo se equipara ao shoegaze, mas a canção não desce aos abismos de melancolia, mantendo a agressividade inofensiva da faixa anterior. 'I am a Scientist' é a estrela do disco, a faixa símbolo. Tem um riff magnífico e soturno, inesquecível. Uma letra que expoe uma paralelo entre profissões e comportamento, muito interessante. E claro, não poderia deixar de citar que nessa canção, a frase mais incrível do rock foi cantada:

I am a lost soul, I shoot myself with rock'n'roll

É um resumo do que sou, do que você é. Tudo isso com o arranjo tristonho porém encantador que alterna entre um clima confuso de sobreposições de notas e o riff acima citado. É genial.

O Bee Thousand é o grande trabalho do GBV. É o guia para o novo ouvinte. Se você quer conhecer a essência da banda, baixe esse disco, reserve quarenta minutos de seu tempo e ouça-o sem parar. Se você sentir vontade de pegar um gravador ou um microfone de computador pra fazer suas músicas, não estranhe. É assim que as coisas devem ser quando GBV toca seu som.

Set List

1- Hardcore Ufos
2- Buzzards and Dreadful Crows
3- Tractor Rape Chain
4- The Goldheart Mountaintop Queen Directory
5- Hot Freaks
6- Smothered in Hugs
7- Yours to Keep
8- Echos Myron
9- Gold Star for Robot Boy
10- Awful Bliss
11- Mincer Ray
12- A Big Fan of the Pigpen
13- Queen of Cans and Jars
14- Her Psychology Today
15- Kicker of Elves
16- Ester's Day
17- Demons Are Real
18- I Am a Scientist
19- Peep-Hole
20- You're Not an Airplane

BUSCA!
O blog conta com uma busca específica no menu ao lado. Procure discos e bandas/artistas em nossa busca! Serão listados todos os posts onde o nome procurado foi citado.

6 Opinião(ões) de nosso(s) leitor(es):

depois de uma descrição como essa, não tem como não escutar!
=)

eu cheguei aqui mesmo para procurar sobre essa banda =)
estou ouvindo no talo o disco

parabéns!
e ve se posta isso lá no young fox trot !

já te enviei o convite
abraços

Mark

Escutem Flaming lips e henry rollins - abum 2009 - dark side of the moon...isso ai ki é psycodelia...@pauuloandre

Este comentário foi removido pelo autor.

Alguém tem que trazer essa banda pro Brasil!

Essa banda é sensacional! É daquelas bandas que você não entende como não fez sucesso maior...