Jukebox - Cat Power

O disco Jukebox da incrível Cat Power, será ainda lançado no dia 22 desse mês, mas já vazou (novidade!). Mas o que intriga é a aparência incompleta das faixas, que são interrompidas por uma queda sorrateira de volume, característica das trasições de faixas dos antigos LP's, lembram?

Lembro que eu costumava encher o saco do meu pai, quando chegava com LP novo em casa. Ele colocava a agulha no disco e ía pra cozinha pegar algo pra comer. E eu abaixava gradualmente o som, nos primeiros segundos, simulando o fim da faixa. Isso deixava meu pai louco! Hahahaha! Ele já vociferava: "me venderam porcaria!", mas depois conferia novamente, e não entendia nada...

Bem, após essa saudosa história, fica a impressão de que o som gradualmente abaixa no final de forma proposital, simulando as antigas jukebox que infestavam os EUA em todo bar de estrada ou pocilga que vendesse um drink pelas ruas das cidades. E as relações com uma jukebox não ficam só no título ou na transição das faixas: canções incluídas nesse disco tocaram muito nas antigas jukebox. Canções consagradas nas vozes de Frank Sinatra (New York - que no original é New York, New York), James Brown (Lost Someone), Billie Holiday (Don't Explain) ou Janis Joplin (Woman Left Lonely) foram perfeitamente interpretadas por Chan Marshall. O destaque é o modo como ela desconstrói a canção em sua primeira estrutura e a reveste de arranjos totalmente diferentes, mas com sua voz ela consegue manter o sentido original da canção, exibindo destreza inconfundível para trabalhar com covers. Ela já havia lançado um disco cheio de covers em 2000 chamado The Covers Record, onde encaixou novas versões para canções dos Rolling Stones, smog, Lou Reed e Bob Dylan. Aliás, no Jukebox ela dedica uma música pro Dylan - Song for Bobby - contando a importância do cantor para ela em sua juventude. Voltando ao assunto do disco de covers anterior, ela dava toques melancólicos à clássica I Can't Get (No Satisfaction) dos Stones, mas mantinha o sentido da letra, que é versátil, combinando com ritmos dançantes e empolgados ou com arranjos soturnos.

E a sonoridade? Como está a atmosfera desse novo trabalho? Claro que muita gente vai começar as comparações com o The Greatest de 2006 (diga-se de passagem que foi perfeito). Nesse disco, como comentei na resenha da Feist, Chan Marshall está em clima de "aprendi a lição" após tantos problemas com alcoolismo. Mas nesse disco, há um corte daquele clima e uma estrada nova se abre, cheia de possibilidades. Ela conseguiu manter o nível do último disco, sob nova perspectiva de carreira. E os arranjos estão sóbrios, baseados em um blues firme, coerente, bem tocado. O country aparece timidamente, de forma bucólica e uma sonoridade rock, com ondas calmas de acordes de guitarra, circunda o trabalho sempre abrangido por ótimas notas de piano, marca indubitável de seu estilo.

Não sei se as faixas estão incompletas (quem souber, comente nesse post), mas o que sei é fato: Cat Power permanece intocável na questão da qualidade e permanece com a força que ela sugere quando faz aquele gesto ao cantar a música The Greatest (mostrando o muque). Mostra que tem controle de sua carreira e que sabe muito bem se manter estável numa carreira longa e sem deslizes.

Set List

1- New York
2- Ramblin' Woman
3- Metal Heart
4- Silver Stallion
5- Aretha, Sing One For Me
6- Lost Someone
7- Lord, Help The Poor & Needy
8- I Believe In You
9- Song To Bobby
10- Don't Explain
11- Woman Left Lonely
12- Blue

Baixar o disco! (4Shared)

Baixar o disco! (Rapidshare)

BUSCA!
Agora o blog conta com uma busca específica no menu ao lado. Procure discos e bandas/artistas em nossa busca! Serão listados todos os posts onde o nome procurado foi citado.

15 Opinião(ões) de nosso(s) leitor(es):

Rapaz, descobri seu blog por acaso procurando o The Greatest. Bom, eu havia baixado hoje a tarde esse novo álbum dela, e posso dizer que ainda estou arrepiado. Não consigo ouvir nada mais. Não sei se vc conferiu a magestosa apresentação da Cat Power no Tim Festival, caso sim, percebeu que ao escutarmos o Jukebox lembranças daquelas 2hrs de show são inevitáveis. Te digo o pq... essa ótima banda de blues que tbm a acompanha neste álbum, é o diferencial. É uma ótima união e que nos beneficiou com ótimos shows e um brilhante disco.
Acho que o álbum é justamente deste jeito, com essas transições e tal.

Bom, adorei seu blog e já estou add no meu. Abraço!

Porra cara o site ta do caralho
Cara se tu conseguir colocar um cd dos replicantes e do beastie boys aew ia ficar foda.

oi.

meu, é outra que nem tenho nada pra falar.

só que se a Amy Winehouse, vem procurando um buraquinho de soul e blues pra aparecer, então deve ficar ligeira, esperta e eXperta mesmo.
pois esse disco mostra como se faz.

shoW.
viva Aretha Franklin.
:D

Mandou bem, Catpower é poderosa.

abraço

Tava procurando esse disco e achei ele aqui. Acho que ta faltando música, pois encontrei uns set lists diferentes pela net e neles constam "Fortunate Son" do CCR. De qualquer forma, gostei do disco. E parabéns pelo blog. Realmente sencacional. Mesmo eu não gostando de muita coisa que você postou, gostei muito das desctições que você deu aos discos. Gostei mesmo e assinei o feed. Abraço!

Não consegui fazer o download... O link cai num site que pede uma senha... Mas eu não encontrei a senha no site...

Parabéns pelo blog!

Entã Guru,

eu testei os links, e não pediu senha alguma... bem, acabei colocando um link do Rapidshare!

Abração

Eu entrei e tb estava pedindo senha no 4Shared.
Valeu pelo link do Rapidshare.

oi.
poxa PipoKo,
no 4shared, é o seguinte,
se você coloca senha pra "subir",
ele assume a mesma pra "baixar".

se você esta logado, na sua conta,
ele não pede nada.

he he...
:D

Cara,
achei seu blog procurando informações sobre o novo cd da cat power, e me encantei com a resenha do cd, eu já havia baixado todas as músicas e me deu um apepetite pra ouvi-las novamente...
"Cat Power permanece intocável na questão da qualidade e permanece com a força que ela sugere quando faz aquele gesto ao cantar a música The Greatest
acho super válido o comentário acima.
voltarei mais vezes pra ler sobre outras bandas
bjos

hehehehe, esqueci de por o nome,
esqueci que tinha excluído o blog.
prazer!

A primeira vez que ouvi "jukebox" eu disse pra minha mãe "mãe, ouça como o final das músicas do cd nos remete ao som do disco de vynil". Eu fuquei encantado com essa novidade, e o engraçado é que a minha infância voltou toda ao ouvir "jukebox".
Parabéns pelo blog!
Fabiano, abraços.

O Blog esta realmente ótimo, parabéns. O "Jukebox" é de mais!